Juíza nega indenização a mulher que caiu após cadeira quebrar durante missa: ‘Geração mimimi’

Fiel pediu reparação por danos morais, materiais e estéticos, mas magistrada apontou que não ficou apontado qualquer intenção ou negligência da igreja no acidente.

Arquidiocese de Goiânia foi processada por fiel — Foto: Reprodução/Arquidiocese de Goiânia
Arquidiocese de Goiânia foi processada por fiel — Foto: Reprodução/Arquidiocese de Goiânia

A Justiça negou um pedido de indenização a uma mulher que caiu no chão da igreja após a cadeira em que ela estava sentada quebrar. A mulher pediu reparação por danos material, moral e estético após a situação, que aconteceu em 2019. Na sentença, a juíza Marli de Fátima Naves disse que o pedido era um reflexo de uma sociedade que não aceita ser contrariada: “famosa geração do mimimi”.

Segundo a decisão, a mulher participava da Festa da Novena em Louvor a São Geraldo, quando o acidente aconteceu. Ela, então, entrou com a ação contra a Arquidiocese de Goiânia. A juíza da comarca de Vianópolis, no entanto, apontou que não houve qualquer comprovação de ato ilícito ou negligência por parte da igreja que justificasse qualquer indenização. A mulher ainda pode recorrer da sentença.

G1 entrou em contato por email às 6h50 com a Arquidiocese de Goiânia e aguarda retorno. A autora da ação não foi localizada até a última atualização dessa reportagem.

“Infelizmente, a sociedade adulta chegou numa triste fase do não posso ser contrariado, quer na vida civil, quer na congregação dos santos, uma espécie da já famosa geração do mimimi, o que não se espera de alguém que alcançou a idade madura, que deveria refletir proporcionalmente na maturidade”, disse a juíza na sentença.

Na sequência, a magistrada diz que o acidente aconteceu de maneira involuntária, pois nenhum pároco colocaria de maneira proposital uma cadeira com o objetivo de fazer um fiel cair. Ela ainda diz que o próprio ensinamento de Jesus diz que as pessoas devem dar a outra face quando alguém bate em você, então isso devia ser ainda mais seguido em situações que acontecem ao acaso.

“Que exemplos se dá com um pedido como os dos autos aos gentios, será esse o evangelizar que Jesus pregou na cruz do Calvário?”, questiona a juíza.

Na ação, a autora não apresentou nenhuma foto da cadeira usada por ela para provar que ela estava frágil ou com defeito. Além disso, não foi mostrado que a mulher foi vítima de deboche dentro da igreja.

Fonte: G1 Goiás

About Goiás em Notícias

Check Also

Você sabe o que é a Tarifa Social de Energia Elétrica?

Benefício foi criado para ajudar famílias de baixa renda. Descontos chegam a 65%, e CEB …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *