O mundo chega em casa pelas ondas do rádio em vozes, cantos e bips

Há mais de 120 anos entre nós, o rádio fez a guerra, divulgou a paz, informa e diverte. Ele deixou o móvel do canto da sala e está em todos os bolsos, em novos formatos. O rádio pode não ser o mesmo dos idos do Século XX, mas traz todo tipo de entretenimento e informação. Saíram os equipamentos complicados e extremamente frágeis, com ajustes difíceis, apareceram as transmissões on-demand

Há mais de 120 anos entre nós, o rádio fez a guerra, divulgou a paz, informa e diverte. Ele deixou o móvel do canto da sala e está em todos os bolsos e formatos

O ano de 2020 ficará marcado como “o ano que o mundo parou”, visto que a chegada e expansão da Covid-19 obrigou as pessoas a isolarem-se em casa, numa situação que, apesar dos paralelos, em muito superou a famosa “Gripe de 1918”. Uma tecnologia que naquele tempo vinha engatinhando, nos 100 anos seguintes cresceu, tornou-se uma das mídias mais importantes da humanidade (e para além dela, já que seus sinais estão em todo o sistema solar) e está presente, com várias roupagens, no cotidiano de praticamente toda a população mundial.

O rádio pode não ser o mesmo dos idos do Século XX, quando ainda era uma grande novidade, mas ele tem um papel importante, nas grandes cidades, nos campos e áreas isoladas do mundo, trazendo todo tipo de entretenimento e informação. Saíram os equipamentos complicados e extremamente frágeis, com ajustes difíceis, apareceram as transmissões on-demand (podcast, você está entre nós!), os aparelhos portáteis e multifunção (olá, smartphone!).

Primórdios do rádio

O rádio, assim como muitas tecnologias, não pode ser atribuído a um só pai (ou mãe). Na verdade até mesmo a “data de nascimento” é um pouco confusa, visto que foi necessário o desenvolvimento de várias novas técnicas e materiais para que esse aparelho funcionasse. O Século XIX foi um período muito fecundo para essas descobertas e, na década de 1880, transmitir voz a distância não era bem um segredo. Linhas de telefone e telégrafo já estavam presentes pelo mundo todo. Existiam até mesmo serviços de “assinatura de notícias” que eram transmitidas via equipamentos telefônicos na Europa Central. A descrição das ondas eletromagnéticas por James Maxwell (dec. 1870) e sua comprovação por Heinrich Hertz (1888) possibilitaram o início do desenvolvimento de equipamentos para transmitir a voz humana sem fios.

A criação desses equipamentos de transmissão e de recepção são atribuídos a Guillermo Marconi, um inventor e industrial italiano que mostrou a transmissão sem fios em 1896. Contudo, Nikola Tesla e Roberto Landell de Moura (respectivamente nos EUA e no Brasil) conseguiram desenvolver tecnologias semelhantes anos antes, assim como muitos outros inventores em diversas partes do mundo nos anos finais do Século XIX e iniciais do Século XX.

A polêmica da paternidade do rádio entre Tesla e Marconi dá-se pois o italiano utilizou-se de muitas patentes de Tesla para desenvolver seu sistema de transmissão. Junta-se a isso que transmissões de voz (como as que Landell fez em São Paulo antes de 1900) precisaram do desenvolvimento de tecnologias que ainda não estavam consolidadas, o que apenas se dá a partir de 1906.

Diferente do telefone que permite que o equipamento seja um emissor e um receptor ao mesmo tempo, no rádio essas duas partes (receptor e transmissor) são equipamentos distintos. Usando a tecnologia criada a partir dos conceitos de Maxwell e Hertz, um mesmo aparelho poderia conectar-se a diversos transmissores e cada transmissor podia ligar-se a vários receptores ao mesmo tempo. Os pioneiros que o viram como uma evolução do telegráfo ou mesmo do telefone entendiam isso como um problema, pois qualquer equipamento sintonizado na frequência do emissor poderia ouvir a conversa. Mas aquilo que era um problema tornou-se um diferencial, pois possibilitava que transmissões públicas pudessem ser disponibilizadas para multidões em várias localidades apenas pelo girar de um botão.

Por que 13 /02?

Assim o rádio vai deixando de ser uma curiosidade científica para tornar-se uma atividade de passatempo, com milhares de pessoas transmitindo e ouvindo emissões caseiras, especialmente na Europa e na América do Norte. O uso prático se dava como “telegrafo sem fio” para embarcações em alto-mar. Foi a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) que mudou esse panorama dramaticamente, sendo o rádio usado como instrumento de comunicação militar e depois dela, o serviço de rádio tornou-se popular. Exemplo disso é que a BBC (British Broadcasting Corporation) foi fundada em 1922, tornando-se posteriormente um importante e popular meio de comunicação na Inglaterra e mesmo mundial.

O rádio torna-se uma febre. As transmissões começam oficialmente e regularmente em vários países desde então: URSS tem sua primeira transmissão radiofônica em 1921, os EUA em 1920 têm sua primeira rádio comercial, na Argentina, as transmissões regulares começam em 1920 e no Brasil em 1923. O uso do rádio como instrumento de diversão, informação e propaganda espalhou-se e foi capital durante a Segunda Grande Guerra (1939-1945) na Europa e na Ásia.

A reorganização política que veio com o fim da guerra possibilitou o surgimento da ONU (Organização das Nações Unidas), que também viu no rádio um importante instrumento de difusão de ideias e conhecimento, fosse para público em geral, fosse nas zonas onde a ONU intervia. Assim surgiu a Rádio ONU em 13 de fevereiro de 1943 e em 2010 foi criado o “dia mundial do rádio” em homenagem não só ao serviço de rádio como a todos os profissionais que envolvem-se com esse meio de difusão de cultura e conhecimento.

Fonte: ABC Digital – GO

About Goiás em Notícias

Check Also

Goiânia busca talentos em processo seletivo para trabalhar na prefeitura

Processo seletivo está disponível para 16 cargos na Secretaria de Prioridades Estratégicas. Inscrições seguem até …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *